Força de GRADIENTE DE PRESSÃO no vento

A origem da movimentação horizontal do ar está na diferença de pressão, ocasionada principalmente pela diferença de temperatura entre as diversas regiões de nosso planeta. A força resultante da diferença de pressão é denominada de gradiente de pressão.

Esta força ocorre no sentido da alta para a baixa pressão, perpendicular as linhas isóbaras. Quanto menor a distância entre as isóbaras, maior será o gradiente de pressão. Consequentemente, quanto maior o gradiente de pressão maior será a intensidade do vento. Para melhor compreensão veja a fórmula e a ilustração do post.

Conforme analisado acima, a diferença de temperatura na superfície da Terra  resulta na variação de pressão. A região Equatorial é mais quente e possui menor pressão do que a região dos polos, onde a temperatura é mais baixa e a pressão mais alta.

Se não houvesse mais nenhuma força atuante, como por exemplo, a rotação da Terra, e o gradiente de pressão fosse a única força atuante sobre o vento, teríamos uma situação hipotética onde seria fácil prever a circulação dos ventos, que sempre ocorreria das regiões de alta para as de baixa pressão. Mas, como há a rotação da Terra, a partir do momento que ocorre a movimentação do ar, este passa a sofrer influência da força de Coriolis.

Como calcular a altura das nuvens a partir da temperatura

Questão: Considerando as temperaturas do ar e do ponto de orvalho, ambas na superfície, respectivamente, de 32°C e 24°C, podemos afirmar que a altura média da base das nuvens convectivas, em metros, será de:

1.000 ­ Resposta correta
1.100
1.200 ­
1.300

Explicação: Há dois tipos de transformações adiabáticas:

  1. Razão adiabática seca: gradiente vertical do ar seco que é igual a: 1ºC/100m. Isso significa que, a cada 100m que o ar seco sobe, ele perde 1ºC.
  2. Razão adiabática úmida: gradiente vertical do ar saturado, varia entre 0,4ºC/100m até 1ºC/100m, para cálculos utilizamos o valor de 0,6ºC/100m (2ºC/1000 pés), ou seja a cada 1000 pés nós perdemos 2ºC ou, a cada 100m perdemos 0,6ºC.

Gradiente do Ponto de Orvalho: a temperatura do ponto de orvalho decresce, em média, 0,2ºC/100m.

Então 32ºC – 24 ºC = 6 ºC / 0,6 ºC = 10 * 100 m = 1000 m

Questão: A temperatura do ar e do ponto de orvalho à superfície são, respectivamente de 25 e de 21 graus Celsius. A nebulosidade convectiva que formará terá:

Base a 500 metros ­

Formula: H= 125 (T-PO)

H = 125 * (25-21) = 500 metros