Simulado Prova ANAC sobre APP Serviço de Controle de Aproximação

1. Operacionalmente os APP são subordinados a(o):

a) ACC
b) TWR
c) AFIS
d) FIR

2. A separação vertical mínima entre aeronaves aplicada por um APP será de:

a) 1000m
b) 300 pés
c) 1000 pés
d) 500 pés

3. O ajuste padrão corresponde a:

a) 1013,2 in Hg
b) 29,92 hPa
c) 1013,2 hPa
d) 29,99 in Hg

4. Durante a subida a troca de QNH para QNE correrá na (o):

a) altitude de transição
b) nível de transição
c) nível de cruzeiro
d) camada de transição

5. Durante a descida a troca de QNE para QNH correrá na (o):

a) altitude de transição
b) nível de transição
c) nível de cruzeiro
d) camada de transição

6. A informação da pressão para o ajuste do altímetro poderá ser obtida através:

a) do contato com a TWR
b) do contato com o APP
c) sintonizando o ATIS
d) todas as anteriores

7. A velocidade máxima para aeronaves ingressando em TMA ou CTR nos espaços aéreos classe C e D, abaixo de 10.000 pés é de:

a) 380kt
b) 220kt
c) 180kt
d) 250kt

8. Um voo VFR especial noturno é autorizado pelo:

a) pelo APP
b) pela TWR
c) pela AFIS
d) não é permitido

9. Para a autorização de um voo VFR especial, as condições meteorológicas predominantes nos aeródromos envolvidos, deverão ser iguais ou superiores aos seguintes valores:

a) teto de 1000 pés e visibilidade de 3000 metros
b) teto de 700 pés e visibilidade de 2000 metros
c) teto de 500 pés e visibilidade de 2500 metros
d) teto de 1500 pés e visibilidade de 1000 metros

10. Para a realização de um voo VFR especial, a aeronave deverá estar equipada com:

a) transceptor VHF em funcionamento
b) GPS
c) dois ADF´s
d) dois VOR´s

11. Uma aeronave que decola para um voo VFR noturno, dentro de uma TMA, será transferida logo após a decolagem para o seguinte órgão ATC:

a) ACC
b) AFIS
c) APP
d) TWR

12. As aeronaves com plano de voo VFR não poderão entrar, sem autorização do respectivo APP, em TMA ou CTR classes:

a) B, C e D
b) A, B, C e D
c) A e B
d) G e F

13. Caso a aeronave não consiga contato rádio com o APP respectivo, deverá chamar primeiramente:

a) outra TWR dentro da TMA
b) TWR do aeródromo principal
c) ACC, caso esteja localizado naquela TMA
d) GND do aeródromo principal

14. A pressão para o ajuste de altímetro QNH comunicado às aeronaves, será sempre arredondado para:

a) o hectopascal inteiro inferior mais próximo
b) o hectopascal inteiro superior mais próximo
c) 1013,2 hPa
d) não é permitido arredondar o ajuste de altímetro QNH

15. A altitude de transição de um aeródromo consta na:

a) WAC
b) ARC
c) ENRC
d) SID

1A 2C 3C 4A 5B 6D 7D 8D 9A 10A 11C 12A 13B 14A 15D

Questões simuladas da ANAC sobre FUSOS HORÁRIOS

1. O movimento de rotação da Terra ocorre no sentido:

a) leste para oeste
b) norte para sul
c) oeste para leste
d) sul para norte

2. O movimento da Terra sobre o seu próprio eixo, é denominado:

a) revolução
b) translação
c) rotação
d) giro

3. Durante o preenchimento do plano de voo, o piloto utilizará a hora:

a) legal
b) local
c) UTC
d) HLE

4. Na longitude 090º W são 10:26Z, qual será a hora UTC na longitude 045º E:

a) 17h26
b) 10h26
c) 03h26
d) 15h26

5. Na posição 48º 30´N – 103º 15´E a Hora Local (HLO) é 10h45 do dia 17 de julho. Qual a Hora Local (HLO) e a data na posição 48º 30´N – 007º 15´E?

a) 04h21 do dia 17 de julho
b) 04h00 do dia 16 de julho
c) 04h21 do dia 18 de julho
d) 04h21 do dia 16 de julho

6. Quando a Hora Local (HLO) na posição 46º 00´N – 008º 30´W é 23h00 do dia 9 de agosto, qual será a Hora Local (HLO) na posição 46º 00´N – 108º 30´W?

a) 16h20 do dia 9 de agosto
b) 16h20 do dia 8 de agosto
c) 16h20 do dia 7 de agosto
d) 16h42 do dia 8 de agosto

7. Quando a Hora Local (HLO) na posição 46º 00´N – 008º 30´W é 23h00 do dia 16 de agosto, qual será a Hora Local (HLO) na posição 46º 00´N – 108º 30´E?

a) 06h48 do dia 17 de agosto
b) 06h48 do dia 16 de agosto
c) 06h00 do dia 17 de agosto
d) 06h00 do dia 15 de agosto

8. Qual a Hora Local (HLO) e a data na posição 54º 30´N – 007º 15´E, quando a hora UTC é 13h00 do dia 2 de agosto?

a) 13h00 do dia 2 de agosto
b) 13h29 do dia 1 de agosto
c) 13h00 do dia 1 de agosto
d) 13h29 do dia 2 de agosto

9. Convertendo 153º 30´ de um arco de longitude em tempo, teremos:

a) 10h08
b) 10h14
c) 10h
d) 10h22

10. A Hora UTC é também conhecida como:

a) Hora Z
b) HLE
c) HZ
d) Hora 0

11. Convertendo 090º de um arco de longitude em tempo, teremos:

a) 06h00
b) 04h00
c) 03h00
d) 09h00

12. Convertendo 030º 30´ de um arco de longitude em tempo, teremos:

a) 02h02
b) 02h00
c) 01h52
d) 02h06

13. Qual a diferença horária entre as posições 05º00´S – 090º00´E e 05º00´S – 075º 00´W?

a) 7h
b) 11h
c) 17h
d) 8h

14. Qual a diferença horária entre as posições 22º05´S – 015º00´E e 22º05´S – 090º 00´W?

a) 11h
b) 8h
c) 7h
d) 12h

15. Qual o número da Zona de Fuso Horário para a longitude 165º 03´W?

a) + 10
b) + 11
c) – 11
d) – 10

16. Qual o número da Zona de Fuso Horário para a longitude 033º 06´E?

a) + 2
b) + 1
c) – 1
d) – 2

1C 2C 3C 4B 5A 6A 7A 8D 9B 10A 11A 12A 13B 14C 15C 16A

Questões simuladas da ANAC sobre o METAR

1. Qual dos códigos meteorológicos abaixo é uma previsão:

a) METAR
b) TAF
c) SPECI
d) nenhuma das acima

2. O piloto irá realizar um voo com duração de 5 horas, portanto, qual dos códigos meteorológicos abaixo é o mais adequado para a análise do tempo no momento do pouso no aeródromo de destino:

a) TAF
b) SPECI
c) METAR
d) AIRMET

3. Um determinado aeródromo encontrava-se fechado devido ao mau tempo, porém, as condições melhoram significativamente e o aeródromo foi aberto. Qual mensagem abaixo é mais adequada para a divulgação de tal informação:

a) AIRMET
b) TAF
c) SPECI
d) SIGMET

4. Qual dos códigos, trata-se de uma observação meteorológica regular?

a) METAR
b) TAF
c) SPECI
d) AIRMET

5. No Brasil, a hora informada no METAR será sempre:

a) UTC
b) local
c) horário de Brasília
d) UTC – 3h

6. No METAR, a direção do vento é sempre informada em relação ao:

a) norte verdadeiro, e sempre com três algarismos
b) norte magnético, e sempre com dois algarismos
c) norte magnético, e sempre com três algarismos
d) norte verdadeiro, e sempre com dois algarismos

7. No METAR, o vento é considerado de rajada quando a variação da velocidade for superior a:

a) 5kt
b) 10kt
c) 30kt
d) 20kt

8. No METAR, a visibilidade superior a 10km, será indicada da seguinte forma:

a) 10km
b) 10.000m
c) 9999
d) 10000

9. A indicação de vento 180/10, informar que:

a) o vento vem do sul, em relação ao norte magnético
b) o vento vai para o sul, em relação ao norte verdadeiro
c) o vento vem do sul, em relação ao norte verdadeiro
d) o vento vai para o sul, em relação ao norte magnético

10. No METAR, a informação VCFG, indica:

a) névoa seca
b) pancada nas vizinhanças
c) nevoeiro nas vizinhanças
d) visual conditions (condições visuais)

11. No METAR, a presença de chuvisco será informada como:

a) DZ
b) RA
c) GR
d) CH

12. No METAR, a presença de nevoeiro será informada como:

a) FG
b) BR
c) RA
d) NV

13. No METAR, a informação sobre a nebulosidade, OVC005, indica:

a) céu encoberto a 5000 pés
b) céu nublado a 500 pés
c) céu encoberto a 500 pés
d) céu nublado a 5000 pés

14. No METAR, a abreviatura SKC indica:

a) a mesma informação que CAVOK
b) visibilidade mais que 10km
c) ausência de nuvens
d) nuvens esparsas

15. No METAR, a pressão será sempre:

a) QNE
b) QNH
c) QFE
d) QFF

16. No METAR, a indicação RA indica:

a) raios próximos ao aeródromo
b) chuva moderada
c) chuva forte
d) chuva leve

17. A indicação de vento 270/16, informa que:

a) a velocidade do vento é de 16km/h
b) o vento flui para o oeste
c) a velocidade do vento é de 27kt
d) a velocidade do vento é de 16kt

18. A temperatura de -9ºC, virá representada no METAR como:

a) -9ºC
b) -9
c) M09
d) M9

19. Uma pressão igual a 1014,7 hPa será indicada no METAR como:

a) Q1015
b) Q1014,7
c) Q1014
d) Q1014,5

20. No METAR, o vento calmo será indicado como:

a) 00000kt
b) CALM
c) CW
d) CALMO

21. No METAR SBPA 210300 27002KT CAVOK 24/20 Q1011, temos:

a) vento de 27kt
b) umidade relativa do ar baixa
c) horário da confecção 2103Z
d) ponto de orvalho igual a 20ºC

22. No METAR SBCF 220900 07012KT CAVOK 24/10 Q1009, temos:

a) pressão do ar elevada
b) vento calmo
c) visibilidade superior a 10km
d) QNE 1009hPa

23. No METAR SBSP 060900 17002KT CAVOK 14/13 Q1017, temos:

a) vento de 2kt
b) umidade relativa do ar baixa
c) visibilidade igual ou superior a 5km
d) condição meteorológica IMC

24. No METAR SBPA 060800 17008KT 7000 OVC010 20/17 Q1007, temos:

a) teto de 100 pés
b) vento de 060º
c) céu encoberto a 1000 pés
d) céu nublado a 100 pés

25. No METAR SBRF 211800 08002KT 9999 SCT015 BKN100 26/24 Q1010, temos:

a) vento de 211º
b) visibilidade maior que 10km
c) primeira camada de nuvens a 10.000 pés
d) temperatura do ponto de orvalho igual a 26ºC

26. No METAR SBSV 270800 28008KT 8000 SCT016 BKN110 26/14 Q1016, temos:

a) vento de 8kt
b) vento de 270º
c) vento calmo
d) vento vindo do leste

27. No METAR SBRF 210800 09012KT 9999 BKN030 26/18 Q1015, temos:

a) vento de 210º
b) vento vindo do leste
c) vento soprando para o leste
d) temperatura do ar igual a 18ºC

28. No METAR SBGR 101800 27012KT 4000 RA VCTS FEW017 SCT040CB 24/22 Q1013, temos:

a) trovada sem chuva nas vizinhanças
b) vento vindo de leste
c) chuva forte
d) primeira camada com poucas nuvens

29. No METAR SBGL 301800 09013KT 4000 HZ SKC 27/10 Q1018, temos:

a) visibilidade restrita devido a nevoeiro
b) visibilidade restrita devido à névoa úmida
c) visibilidade restrita devido à fumaça
d) visibilidade restrita devido à névoa seca

30. No METAR SBMO 302000 15011KT 4000 BR OVC005 22/21 Q1013, temos:

a) céu nublado a 500 metros
b) ajuste de pressão padrão
c) vento calmo
d) visibilidade de 4000 metros devido à nevoeiro

31. No SPECI SUMU 202120 00008KT 3500 TSRA FEW040CB OVC080 17/17 Q1006, temos:

a) vento calmo
b) trovoada com chuva
c) ar seco
d) pressão elevada

32. No METAR SBGR 042100Z 33007KT 9999 FEW040 28/20 Q1015, temos:

a) temperatura máxima de 28 graus às 20 horas UTC
b) QFF de 1015
c) QNE de 1015
d) condição meteorológica visual (VMC)

33. No METAR SBGL 042100Z 30003KT 9999 FEW025 FEW030TCU 33/20 Q1008 RETS, temos:

a) trovoada recente
b) temperatura de 33º F
c) pressão atmosférica elevada
d) visibilidade de 9000 metros

34. No METAR SBRF 042100Z 13010KT 9999 SCT023 28/24 Q1013, temos:

a) condição IMC
b) pressão atmosférica padrão
c) céu nublado a 2300 pés
d) céu encoberto a 2300 pés

35. No METAR SBMO 042100Z 11012KT 9999 FEW020 27/22 Q1014, temos:

a) vento de sul com 12 nós
b) vento de 110 graus com 12km/h
c) temperatura de 22º C
d) QNH de 1014hPa

36. No METAR SBPA 042100Z 08014KT 5000 -TSRA BKN010 FEW045CB BKN050 OVC100 22/21 Q1007, temos:

a) condição VMC
b) céu nublado a 5.000 metros
c) céu encoberto a 5.000 pés
d) umidade relativa do ar elevada

37. No METAR SBCT 042100Z 01004KT 5000 -TSRA BKN020 FEW025CB 21/18 Q1015, temos:

a) visibilidade de 5.000 pés
b) trovoada leve com chuva
c) QNE de 1015hPa
d) ar seco

38. No METAR SBMG 042100Z 00000KT 9999 VCSH FEW030 FEW040TCU SCT050 27/25 Q1010, temos:

a) atmosfera estável
b) vento de rajada
c) QFF de 1010hPa
d) poucas nuvens a 3.000 pés

39. No METAR SBLO 042100Z 00000KT 9999 FEW030TCU 24/20 Q1012, temos:

a) atmosfera instável
b) temperatura de 24º F
c) baixa visibilidade
d) ar seco

40. No METAR SBSP 050000Z 33006KT CAVOK 27/18 Q1017, temos:

a) vento calmo
b) QFE de 1017 hPa
c) condições meteorológicas visuais
d) QNH de 1017 mmHg

41. No METAR SBBR 050000Z 14005KT 9999 SCT030 BKN050 18/15 Q1020, temos:

a) teto de 3.000 metros
b) teto de 5.000 metros
c) teto de 3.000 pés
d) QNH de 1020 hPa

42. No METAR SBLO 050000Z 01004KT 9999 FEW035 BKN045 24/21 Q1015, temos:

a) teto de 4.500 metros
b) teto de 4.500 pés
c) teto de 3.500 pés
d) teto de 3.500 metros

43. No METAR SBKP 050000Z 27017G42KT CAVOK 31/08 Q1016, temos:

a) condição IMC
b) umidade elevada
c) visibilidade de 5.000 metros
d) vento com rajadas de até 42kt

44. Num SPECI a base das nuvens é expressa em:

a) nível de voo
b) altura em pés
c) altitude em pés
d) altitude em metros

45. No SPECI SBPA 211625Z 27023G35KT 5000 -RA BKN012 BKN040 OVC100 23/19 Q1011, temos:

a) visibilidade de 5.000 pés
b) chuva moderada
c) teto de 1.200 pés
d) baixa umidade

46. No SPECI SBBH 202120 00008KT 3500 TSRA FEW040CB OVC080 17/17 Q1006, temos:

a) vento calmo
b) teto de 4.000 pés
c) ar saturado
d) pressão atmosférica elevada

1B 2A 3C 4A 5A 6A 7B 8C 9C 10C 11A 12A 13C 14C 15B 16B 17D 18C 19C 20A 21D 22C 23A 24C 25B 26A 27B 28D 29D 30B 31B 32D 33A 34B 35D 36D 37B 38D 39A 40C 41D 42B 43D 44B 45C 46C

Questões simuladas da ANAC sobre pressão atmosférica

1. O peso que a atmosfera exerce sobre a superfície terrestre é denominado de:

a) fator atmosférico
b) vetor atmosférico
c) pressão atmosférica
d) nenhuma das anteriores

2. A pressão atmosférica é medida por:

a) termômetro
b) barômetro
c) hidrômetro
d) anemômetro

3. 1hPa equivale a cerca de:

a) 40 pés
b) 30 pés
c) 100 pés
d) 10 pés

4. Assinale a alternativa correta:

a) com o aumento da altitude ocorre o aumento da pressão atmosférica
b) com o aumento da altitude ocorre a diminuição da pressão atmosférica
c) a pressão atmosférica não varia com a altitude
d) a pressão atmosférica diminui com a diminuição da altitude

5. No Brasil, nas mensagens meteorológicas e nas comunicações de tráfego aéreo a pressão atmosférica é sempre expressa em:

a) hPa (hectopascal)
b) polHg (polegadas de mercúrio)
c) mmHg (milímetros de mercúrio)
d) ft (pés)

6. Considerando os valores de uma atmosfera padrão, em qual das altitudes abaixo a pressão atmosférica é menor:

a) 55.000 pés
b) 5.000 pés
c) 15.000 pés
d) 500 pés

7. Com o aumento da temperatura a pressão atmosférica irá:

a) se manter estável até 10.000 pés
b) aumentar
c) a temperatura não tem relação com a pressão
d) diminuir

8. Considerando apenas a umidade do ar, qual das condições abaixo apresenta a menor pressão atmosférica?

a) umidade relativa do ar de 10%
b) umidade relativa do ar de 30%
c) umidade relativa do ar de 60%
d) umidade relativa do ar de 92%

9. As linhas que unem diversos pontos com a mesma pressão atmosférica ao nível mé- dio do mar (QFF) é denominada de:

a) isógonas
b) isógenas
c) isóbaras
d) agônicas

10. Uma área onde a pressão no centro é baixa e a sua volta a pressão é gradativamente maior é chamada de:

a) baixa
b) alta
c) ridge
d) crista

11. Sobre uma área de baixa pressão é correto afirmar:

a) área geralmente associada ao bom tempo
b) pouca ou nenhuma precipitação
c) ventos calmos
d) área geralmente associada ao mau tempo

12. Uma área de baixa pressão também é denominada de:

a) ciclone
b) high
c) crista
d) ridge

13. Numa área de baixa pressão o ar é:

a) convergente e descendente
b) convergente e ascendente
c) divergente e ascendente
d) divergente e descendente

14. Numa área de alta pressão no hemisfério sul, o ar circula no sentido:

a) anti-horário
b) horário
c) de norte para sul
d) de sul para norte

15. Numa área de baixa pressão no hemisfério norte, o ar circula no sentido:

a) anti-horário
b) horário
c) de norte para sul
d) de sul para norte

16. Áreas alongadas de baixa pressão são chamadas de:

a) cavado
b) crista
c) neutra
d) colo

17. Áreas alongadas de alta pressão são chamadas de:

a) cavado
b) crista
c) neutra
d) colo

18. A área localizada entre duas áreas de alta e duas áreas de baixa pressão é chamada de:

a) colo
b) crista
c) cavado
d) ridge

1C 2B 3B 4B 5A 6A 7D 8D 9C 10A 11D 12A 13B 14A 15A 16A 17B 18A

Prova de Navegação Aérea: Simulado banca ANAC PP

1- O método de navegação pelo qual a posição da ACFT é obtida através de instrumentos eletrônicos, sendo baseado na recepção de sinais emissores especiais, chama-se navegação: a) estimada, b) eletrônica, c) por contato, d) astronômica.

2- O método de conduzir uma ACFT, sobre a superfície da Terra, procurando elementos de destaque para orientar sua rota, chama-se navegação: a) rádio, b) eletrônica, c) por contato, d) por estimado.

3 – A perda de energia eletromagnética de um rádio-transmissor, absorvida por objetos próximos ao mesmo, tais como árvores e edifícios, chama-se: a) absorção, b) refração, c) reflexão, d) difração.

4- O rádio receptor com uma antena loop, que é capaz de determinar a direção das ondas emitidas por uma estação e que comumente sofre com os problemas de descargas elétricas da atmosfera, denomina-se:
a) ADF, b) VOR, c) ILS, d) ALS.

5 A força do campo magnético da Terra que faz uma agulha alinhar-se na direção Norte/Sul chama-se:
a) componente vertical, b) declinação magnética, c) inclinação magnética, d) componente horizontal.

6- O altímetro está ligado à(s) linha(s) de pressão: a) estática, b) dinâmica, c) de impacto, d) estática e dinâmica.

7- O nível de vôo de uma ACFT é dado pela distância vertical, medida a partir do/da:: a) superfície terrestre, b) aeródromo sobrevoado, c) nível de pressão padrãod) ponto qualquer considerado.

8- A altitude de um avião lida num altímetro quando este está ajustado para 29.92 POL ou 1013.hPa, chama-se altitude: a) pressão, b) absoluta, c) densidade, d) verdadeira.

9- A distância real, acima do nível do mar, corrigida para as variações de pressão e temperatura, é a altitude:
a) pressão, b) absoluta, c) calibrada, d) verdadeira.

10 Quando o altímetro é ajustado para 1013.2 hPa, é obtida a altitude: a) pressão, b) indicada, c) absoluta, d) verdadeira.

11 – Linha de fé é como se chama: a) a linha de rota, b) o eixo longitudinal do avião, c) a linha de leitura de uma bússola, d) uma linha de declinação magnética.

12 – A componente vertical da bússola é máxima: a) nos pólos magnéticos, b) na longitude 60o norte ou sul, c) na latitude de 45o norte ou sul., d) próximo ao Equador magnético.

13 – As duas componentes básicas do sistema de coordenadas geográficas são: a) Meridianos e Paralelos, b) Equador e Paralelos, c) Equador e Meridianos, d) Latitude e Longitude.

14 – A separação entre os meridianos numa projeção Mercator de escala 1:5.000.000 é de: a) 2,2 cm, b) 222 cm, c) 0,22 cm, d) 22,2 cm.

15 – Uma coordenada geográfica define uma: a) posição, b) direção., c) Distância, d) Linha de rota.

16- A abreviatura SSW pertence ao grupo de pontos: a) cardeais, b) colaterais, c) sub-cardeais, d) sub-colaterais.

17- WSW pertence ao grupo de pontos sub-colaterais, mais precisamente do setor direcional, é a abreviatura de: a) Oestesudeste, b) Oestenoroeste, c) Oestenordeste, d) Oestesudoeste.

18 – O ponto colateral sudeste (SE), corresponde em graus a: a) 45o, b) 135o, c) 225o, d) 315o.

19 – As projeções que tem o ponto de origem das linhas de projeção no centro da Terra chama-se: a) azimutais, b) gnomônicas, c) ortográficas, d) estereográficas.

20 – A projeção que tem como característica a perfeição nas áreas projetadas chama-se: a) Lambert, b) Mercator, c) Ortodrômica, d) Loxodrômica.

21 – A projeção que apresenta grandes distorções das áreas projetadas em altas latitudes, denomina-se: a) Lambert, b) Zenital, c) Azimutal, d) Mercator.

22 – Das alternativas abaixo, identifique a que é considerada como uma das desvantagens da projeção LAMBERT em relação a MERCATOR: a) difícil plotagem de pontos, b) escala de distância constante, c) escala de distância variável com a latitude, d) paralelos e meridianos cortando-se a 090o.

23 – Numa projeção Lambert, uma linha é a representação de um/uma: a) círculo máximo, b) rota loxodrômica, c) segmento de meridiano, d) inclinação magnética.

24 – As projeções cujo ponto de tangência se encontra sobre o Equador chamam-se:: a) polares, b) oblíquas, c) equatoriais, d) Gnomônicas.

25 – Em uma projeção estereográfica, as linhas de projeção tem origem no: a) infinito, b) centro da Terra, c) ponto de tangência, d) ponto oposto ao ponto de tangência.

26 – Uma rota ortodrômica, corta os meridianos em ângulo: a) retos, b) iguais, c) agudos, d) diferentes.

27 – As extremidades do eixo imaginário da Terra chamam-se: a) pólos norte e sul magnéticos, b) pólos norte e sul verdadeiros, c) hemisférios norte e sul magnéticos,  d) hemisférios norte e sul verdadeiros.

28 – O arco de Equador, compreendido entre o meridiano de Greenwich e um meridiano qualquer, é chamado: a) latitude, b) longitude, c) co-latitude, d) co-longitude.

29 – O menor arco de Equador, compreendido entre os meridianos dos pontos dados, chama-se: a) Latitude, b) Longitude, c) DLA, d) DLO.

30 – O complemento da latitude chama-se: a) co-latitude, b) latitude média,c) paralelo de latitude, d) diferença de latitude.

31 – O arco de Equador compreendido entre o meridiano de Greenwich e o meridiano do ponto considerado chama-se: a) latitude., b) longitude, c) co-latitude, d) diferença de longitude.

32 – Os meridianos verdadeiros são: a) Círculos menores, b) Círculos máximos, c) Semi-círculos máximos, d) Círculos maiores.

33- O Equador é um Círculo Máximo cuja latitude é de: a) 00o, b) 90o, c) 180o, d) 270o.

34 – Chama-se de círculo máximo um círculo: a) paralelo aos trópicos, b) que passa pelo Equador, c) que corta os meridianos no mesmo ângulo, d) cujo plano imaginário divide a Terra em partes iguais.

35 – O único círculo máximo cujo plano imaginário é perpendicular ao eixo da Terra, chama-se: a) Pólos, b) Equador, c) Meridianos, d) Paralelos de Latitude.

36 – Trata-se de um círculo menor e seu plano imaginário é perpendicular ao eixo da Terra: a) Equador, b) Meridiano magnético, c) Paralelo de latitude, d) Meridiano de Greenwich.

37 – O comprimento de 1’ (um minuto) de arco do meridiano verdadeiro corresponde a: a) 1 MT, b) 1 NM, c) 1 KM, d) 1 FT.

38 – Uma distância de 138NM medida sobre um meridiano verdadeiro, corresponde a: a) 02o 18’ de LAT, b) 02o 38’ de LAT, c) 02o 18’ de LONG, d) 02o 38’ de LONG.

39 – A distância em milhas náuticas, medida sobre um meridiano entre os paralelos de latitude de 04o 20’ S e 06o 30’ S, corresponde a: a) 130NM, b) 260NM, c) 470NM, d) 650NM.

40 – Um meridiano eqüidistante de dois meridianos considerados chama-se: a) latitude média, b) longitude média, c) diferença de latitude, d) diferença de longitude.

41 – O anti-meridiano de 120o e corresponde a: a) 060o E, b) 060o W, c) 150o E, d) 150o W.

42 – A DLO entre os meridianos 170o E e 170o W é: a) 20o, b) 170o, c) 340o, d) 360o.

43 – Qual a latitude do ponto B, sendo dados LAT A (23o 27’ S), DLA entre A e B 39o 27’ N? a) 16o 00’ S, b) 16o 00’ N, c) 23o 27’ N, d) 62o 54’ N.

44 – Dadas as coordenadas geográficas dos pontos A e B, calcule a DLA entre estes pontos: A = (25o 15’ N / 045o 10’ W) e B = (20o 25’ S / 043o 50’ W). a) DLA 04o 50’, b) DLA 01o 20’, c) DLA 89o 00’, d) DLA 45o 40’.

45 – O menor arco de paralelo ou Equador compreendido entre os meridianos dos pontos considerados, denomina-se: a) latitude, b) longitude, c) diferença de latitude, d) diferença de longitude.

46 – A distância angular que corresponde a um arco de meridiano, medida a partir do Equador até um ponto considerado na superfície da terra, chama-se: a) Latitude, b) Longitude, c) Anti-meridiano, d) Co-latitude.

47 – A distância angular medida a partir de um ponto no hemisfério sul até o pólo sul chama-se: a) latitude, b) longitude, c) co-latitude, d) anti-meridiano.

48 – Sendo dados os pontos A) 20o 30’ N / 045o 10’ W e B) 60o 10’ S / 075o 25’ W, a DLA é: a)  19o 50’, b)  39o 40’, c)  40o 20’, d)  80o 40’.

49 – Um ponto situado na latitude 75o 10’ N tem para co-latitude: a) 04o 20’, b) 10o 40’, c) 14o 50’, d) 20o 10’.

50 – Sendo dados: A (25o 40’ S / 045o 30’ W); B (22o 30’ N/ 050o 40’ W), a diferença de latitude-DLA será: a) 01o 35’, b) 03o 10’, c) 24o 05’, d) 48o 10’.

51 – O anti-meridiano de 120o 45’ W será: a) 059o 15’ E, b) 089o 45’ E, c) 105o 15’ E, d) 120o 45’ E.

52 – Um paralelo de latitude eqüidistante de dois paralelos de latitude considerados chama- se: a) latitude, b) co-latitude, c) latitude média, d) diferença de latitude.

53 – Qual o anti-meridiano de 20o W ? a) 020o E, b) 120o E,c) 160o E, d) 180o E.

54 – A distância em milhas náuticas, medida sobre um meridiano entre os paralelos de latitude de 04o 20’ S e 06o 30’ S, corresponde a:a) 130NM, b) 260NM, c) 470NM, d) 650NM.

55- Para as localidades que estejam do lado Leste, a hora Legal em relação a ITC, é: a) a mesma, b) mais cedo, c) mais tarde, d) igual a HLO.

56 – O meridiano central do fuso número 8 do lado oriental, tem para longitude: a) 105o E, b) 120o E, c) 105o W, d) 120o W.

57 – Uma faixa de fuso horário abrange: a) 15o de latitude, b) 15o de longitude, c) 7o 30’ de latitude, d) 7o 30’ de longitude.

58 – Na longitude de 120o W são 18 horas UTC. No mesmo instante, a hora UTC na longitude de 135o E, é de:
a) 06 horas, b) 09 horas, c) 18 horas, d) 22 horas.

59 – As horas UTC, HLE e HLO são iguais no meridiano: a) 005o, b) 010o, c) 015o, d) 000o.

60 – Em um lugar de longitude 85o W são 13:30 HLE. Conseqüentemente a hora UTC é: a) 07:30, b) 08:30, c) 18:30, d) 19:30.

61 – A letra e o número do fuso de um lugar de longitude 138o E é: a) I, 9, b) H, 8, c) U, 8, d) V, 9.

62 – A hora do meridiano central de cada fuso chama-se: a) local, b) legal, c) estimada, d) de Greenwich.

63 – No Rio de Janeiro são 17:00 HLE (Long 43o 15’ W). Qual a HLE em Los Angeles (Long 119o W), sabendo-se que neste lugar está sendo adotada a hora de verão (relógios adiantados uma hora)?
a) 12:00, b) 13:00, c) 22:00, d) 23:00.

64 – A hora considerada em cada meridiano é a hora: a) local, b) legal, c) estimada, d) universal.

65 – Aplicando-se o Acd ao rumo magnético obtém-se o/a: a) PB, b) PM, c) PV, d) RV.

66 – O desvio de bússola E subtrai-se da PM para se obter o/a: a) PV, b) RV, c) PB, d) RM.

67 – O ângulo formado entre o rumo e a proa de uma aeronave, denomina-se: a) desvio, b) deriva, c) correção de desvio, d) correção de deriva.

68 – O ângulo formado entre um meridiano verdadeiro e a linha de rota chama-se: a) rumo verdadeiro, b) proa verdadeira, c) ângulo de correção de deriva, d) declinação magnética.

69- O posicionamento de uma linha de rota medido através do ângulo formado com um meridiano verdadeiro, define o valor do/da: a) RV, b) PV, c) RM, d) Dmg.

70 – O ângulo formado entre o meridiano verdadeiro e a linha de rota é a definição de: a) PM, b) RV, c) RM, d) PV.

71 – Uma aeronave mantém PB 030o e sua linha de rota corta as isogônicas de 05o W a 03o E. A DMG média que deverá ser aplicada será de: a) 01o W, b) 02o W, c) 04o E, d) 08o E.

72 – Um avião voando com PM 230o corta as linhas isogônicas de 05o W e 07o E. A DMG média a ser aplicada deverá ser de: a) 01o E, b) 02o E, c) 06o E, d) 12o E.

73 – Dados: PB 200o, DMG 20o W, desvio de bússola 05o E. As PV e PM serão, respectivamente: a) 175/195o, b) 175/215o, c) 185/205o, d) 205/225o.

74 – Sendo dados RV=45o DMG=10o W e Acd=+5, qual é a PM? a) 50o, b) 55o, c) 60o, d) 65o.

75 – Uma aeronave voa com PM 360o e encontra vento de proa. Tendo-se Dmg 15o W, o RV é: a) RV 015o, b) RV 330o, c) RV 345o, d) RV 360o.

76 – Considere as coordenadas geográficas dos pontos a seguir e informe o rumo verdadeiro de A para B onde A = 25o 00’ N / 045o 00’ W e B = 25o 00’ N / 048o 00’ W. a) RV 090o, b) RV 180o, c) RV 270o, d) RV 360o.

77 – Dados os pontos A (20o 00’ S / 043o 00’ W) e B (20o 00’ S / 050o 00’ W), o rumo verdadeiro de A para B será: a) 000o, b) 090o, c) 180o, d) 270o.

78 – O posicionamento de uma linha de rota medido através do ângulo formado com um meridiano verdadeiro, define o valor do/da: a) RV, b) PV, c) RM, d) Dmg.

79 – Dados os pontos A (25o 00’ S / 045o 00’ W) e B (30o 00’ S / 045o 00’ W), a distancia em milhas náuticas entre A e B será: a) 5NM, b) 25NM, c) 180NM, d) 300NM.

80 – Tendo-se VS 210KT. A distância percorrida em 00H32min foi de: a) 105 NM, b) 112 NM, c) 143 NM, d) 197 NM.

81 – Convertendo para litros a quantidade de combustível de 20700 USGal, são obtidos: a) 7824 litros, b) 54750 litros,c) 78246 litros, d) 102320 litros.

82 – Converter 120 NM em KM: a) 22 km, b) 67 km, c) 189 km, d) 222 km.

83 – Um avião decola de um aeroporto situado a 3000 ft acima do nível do mar para o fl250, mantém R/S1400 ft/min. O tempo de vôo na subida foi de: a) 00:12, b) 00:16, c) 00:21, d) 00:27.

84 – Calcule a distância de subida de uma aeronave, considerando-se os seguintes. Dados R/S 700 ft/min, elevação do aeroporto 3000 ft, FL150, VA na subida 170 kt, vento na subida de proa com 20 kt. a) 39 NM, b) 43 NM, c) 56 NM, d) 62 NM.

85 – Convertendo 4000 metros para pés (FT), obtém-se: a) 12200 FT, b) 13120 FT, c) 14150 FT, d) 16050 FT.

86 – A altitude de 33.000 ft equivale a: a) 8.525m, b) 10.061m, c) 9.320m, d) 13.052m.

87 – Convertendo 4800 kg em Lbs obtém-se: a) 106 lbs, b) 218 Lbs, c) 2180 Lbs, d) 10560 Lbs.

88 – Convertendo 340 Nm em Km obtém-se: a) 630 km, b) 720 km, c) 880 km, d) 950 km.

89 – Uma milha náutica e uma milha terrestre equivalem, respectivamente, a: a) 1609 m/1852 m, b) 3,28 m/1852 m, c) 1609 m/3,28 m, d) 1852 m/1609 m.

90 – Calcule a razão de subida de uma aeronave sendo dados: elevação do aeródromo 2500, nível de vôo FL085, tempo de vôo na subida 00:12. a) 500 ft/min, b) 650 ft/min, c) 710 ft/min, d) 850 ft/min.

91 – À medida em que o avião sobe, a VA aumenta em relação a VI na razão de: a) 1% para cada 1000 FT, b) 2% para cada 1000 FT, c) 2,5% para cada 1000 FT, d) 3,5% para cada 1000 FT.

92 – Dados altitude pressão 15000ft, temperatura 30o C e altitude indicada 12000ft, a altitude verdadeira é de: a) 4150m, b) 4260m, c) 4400m, d) 1560m.

93 – Uma aeronave mantém PM 140o, RM 133o, DMG 20o W, VA 170 kt, VS 155 kt. O vento em rota foi de:
a) 060o/26 kt, b) 165o/26 kt, c) 212o/26 kt, d) 245o/26 kt.

94 – Dentre as alternativas abaixo, identifique os fatores que são capazes de modificar a TAS:
a) umidade, vento e densidade do ar, b) FL, umidade e altitude densidade, c) altitude pressão, temperatura e IAS, d) altitude pressão, vento e temperatura.

95 – A VS (velocidade em relação ao solo) é a VA (velocidade aerodinâmica) corrigida para a: a) instalação, b) temperatura, c) pressão e velocidade do vento, d) direção e velocidade do vento.

96 – Considerando-se a PV menor do que o RV e VA menor do que a VS, o vento soprará do setor de: a) proa pela direita, b) proa pela esquerda, c) cauda pela direita, d) cauda pela esquerda.

97 – Quando o vento for de proa, de cauda ou nulo, a PV em relação ao RV será: a) igual, b) maior, c) menor, d) diferente.

Prova de Meteorologia: Simulado banca ANAC PP

1 – As ondas hertzianas de rádio são refletidas na: a) ionosfera, b) troposfera, c) ozonosfera, d) estratosfera.

2 – A energia solar na faixa do ultra-violeta é absorvida em, aproximadamente, 75% na camada da: a) ionosfera, b) troposfera, c) tropopausa, d) ozonosfera.

3 – A troposfera nas proximidades do Equador estende-se até: a) 09 km, b) 11 km, c) 19 km, d) 50 km.

4 – A camada mais elevada da atmosfera é chamada? a) exosfera, b) ionosfera, c) troposfera, d) estratosfera.

5 – A luminosidade diurna se deve: a) absorção da luz, b) reflexão da luz solar, c) difusão da energia solar, d) absorção da radiação solar.

6 – O equinócio ocorre quando a Terra se encontra em posição tal que a radiação solar incide perpendicularmente ao:
a) Equador, b) Círculo Polar, c) Trópico de Câncer, d) Trópico de Capricórnio.

7 – A quantidade de nitrogênio e oxigênio existente na atmosfera corresponde a: a) 21% e 10%, b) 0,9% e 78%, c) 78% e 21%, d) 78% e 0,9%.

8 – O albedo maior é encontrado: a) em um lago, b) em uma floresta, c) no topo das nuvens, d) em um terreno arado.

9 – Elementos sólidos microscópios em suspensão são conhecidos como núcleos: a) latente, b) partículas, c) resfriados, d) higroscópios.

10 – A composição básica da atmosfera padrão é: a) 78% de oxigênio e 21% de nitrogênio, b) 78% de nitrogênio e 21% de oxigênio, c) 78% de hidrogênio e 21% de oxigênio, d) 78% de oxigênio e 21% de hidrogênio.

11 – Advecção significa: a) insolação, b) radiação solar, c) transporte vertical de calor, d) transporte horizontal de calor.

12 – Um aparelho em que uma cápsula de metal fino, ondulado e flexível onde no seu interior, no vácuo, encontra-se uma lâmina funcionando para evitar que a cápsula seja esmagada. É conhecido como: a) registrador, b) hectopascal, c) cuba de mercúrio, d) barômetro aneróide.

13 – A umidade relativa é fornecida por um instrumento especial denominado: a) barômetro, b) manômetro, c) hidrômetro, d) higrômetro.

14 – A condensação do vapor de água na atmosfera ocorre se: a) a densidade do ar diminuir, b) a pressão atmosférica baixa, c) a temperatura do ar aumentar, d) houver núcleos de condensação.

15 – Um determinado volume de ar contém 4% de vapor de água. Pode-se afirmar que o ar encontra-se: a) seco,
b) úmido, c) neutro, d) saturado.

16 – Para que o ar possa ser considerado saturado, é necessário que ocorra: a) evaporação e chuva, b) evaporação e resfriamento, c) resfriamento e precipitação, d) resfriamento e condensação.

17 – O orvalho é produzido pelo processo físico de resfriamento denominado: a) advecção, b) radiação, c) convecção, d) efeito orográfico.

18 – Ao se elevar em uma encosta de uma montanha, o ar se resfria produzindo condensação do vapor de água nele contido. Chama-se este processo físico de resfriamento: a) anabático, b) catabático, c) adiabático, d) convectivo.

19 – Havendo temperatura e pressão constantes, a densidade do ar varia em relação a umidade: a) inversamente, b) aumenta a umidade, c) decresce a umidade, d) estabiliza a umidade.

20 – A colisão de gotículas de água decorrente da agitação do ar, ocasiona o aumento das mesmas gerando a precipitação líquida. Este fenômeno é denominado: a) sublimação, b) congelação, c) condensação, d) coalescênsia.

21 – São considerados hidrometeoros: a) chuva e poeira, b) chuva e chuvisco, c) chuvisco e fumaça, d) fumaça e névoa seca.

22 – A água da superfície terrestre passa para a atmosfera pelo processo de : a) saturação, b) evaporação, c) condensação, d) resfriamento.

23 – O transporte de calor pelos ventos na atmosfera é definido como: a) radiação, b) condução, c) advecção, d) convecção.

24 – Quando a temperatura permanece constante com a altitude, tem-se um caso de : a) inversão, b) isotermia, c) saturação, d) sublimação.

25 – A radiação ocorre devido a ….. por longo período sem insolação. a) ganho de calor, b) perda de calor, c) efeito dinâmico, d) efeito orográfico.

26 – A temperatura padrão ao nível médio do mar aprovada pela ICAO é de: a) 15o C, b) 15o F, c) 10o C, d) 10o F.

27 – Durante o dia a perda de calor por levantamento do ar faz com que as correntes convectivas ascendentes se formem por resfriamento de: a) advecção, b) radiação, c) efeito dinâmico, d) expansão adiabática.

28- O instrumento usado para o registro das temperaturas é chamado de : a) higrógrafo, b) termógrafo, c) heliógrafo, d) termômetro.

29 – As camadas de ar com temperaturas iguais em toda sua extensão, mesmo na vertical, são conhecidas como:
a) isóbaras, b) de inversão, c) convectivas, d) isotérmicas.

30 – A transferência de calor por contato direto entre os corpos é chamada de: a) radiação, b) advecção, c) condução, d) convecção.

31 – O instrumento que informa e mede a quantidade de calor é o: a) barômetro, b) termômetro, c) pluviógrafo, d) termógrafo.

32 – Em meteorologia, a palavra convecção significa o/a: a) transporte vertical de calor na atmosfera, b) processo de ocorrência de um anticiclone, c) transporte horizontal de calor na atmosfera., d) Observação e computação da direção do vento.

33 – O resfriamento por advecção ocorre quando há movimento…., sejam frios ou quentes. a) dos ventos, b) por expansão, c) de norte para o sul, d) de sul para o norte.

34 – O calor utilizado nas mudanças de estado físico da água é denominado calor: a) latente, b) absoluto, c) sensível, d) específico.

35 – Mantendo-se a pressão invariável, e decrescendo a temperatura do ar, ocorreria saturação de um dado volume de ar, na temperatura do: a) bulbo seco, b) bulbo úmido, c) ponto de orvalho, d) ponto de congelamento.

36 – O QFE é uma pressão ao nível: a) de vôo, b) da pista, c) de altitude, d) de densidade.

37 – A linha que une pontos de igual pressão nas cartas sinóticas é chamada de: a) isógona, b) isótoca, c) isoípsa, d) isóbara.

38 – Na análise dos campos de pressão nas cartas sinóticas, uma figura singular situada entre duas altas e duas baixas, simultaneamente, é denominada: a) col, b) crista, c) cavado, d) anomalia.

39- Altímetro indicando altura está ajustado para: a) QNE, b) QNH, c) QFF, d) QFE.

40 – A pressão atmosférica, medida ao nível da pista de um aeródromo, é conhecida como: a) QFE, b) QNE, c) QNH, d) QFF.

41 – Ajuste idêntico ao nível médio do mar (QNE) é o: a) QFE, b) QFF, c) QNH, d) QAN.

42- Sempre que a altitude é maior que a altitude pressão, o valor D é: a) nulo, b) positivo, c) negativo, d) inexistente.

43- Os mapas em relevo, representam o nível médio do mar, onde se processam as análises do campo de pressão para meteorologia, são conhecidos como: a) mapa mundi, b) carta de tempo, c) carta sinótica, d) mapa de previsão.

44 – Uma aeronave sobrevoa uma região no FL 70, onde o QNH no momento é 1020 hPa. Pode-se afirmar que a aeronave encontra-se na altitude: a) real de 6890FT, b) real de 7210FT, c) pressão de 6890FT, d) pressão de 7210FT.

45 – Estando pousada em um aeródromo de 300 pés de elevação, quando o QNH é 1023 hPa, uma aeronave terá uma altitude pressão igual a : a) 0 pés, b) 300 pés, c) 600 pés, d) –300 pés.

46 – Em um aeródromo existem cumulus com base à 1500m e a temperatura da base é o de 7o C. Sabendo-se que o topo encontra-se à 2500m, qual a temperatura do topo da nuvem? a) 0,6°C, b) 0,8°C, c) 1,0°C, d) 1,2°C.

47 – O gradiente vertical térmico de 0,5o C/100m identifica uma massa de ar: a) estável, b) instável, c) condicional, d) superadiabática.

48 – Sendo dadas as temperaturas do ar e do ponto de orvalho iguais a 24o C e 20o C, a altura da base de nuvens cumulus estará a : a) 500m, b) 500ft, c) 1000m, d) 1000ft.

49 – A precipitação líquida, na forma de chuvisco, é produzida por nuvens: a) stratus, b) cumulus, c) nimbustratus, d) cumulunimbus.

50 – As nuvens que apresentam desenvolvimento vertical são denominadas: a) mistas, b) sólidas, c) líquidas, d) formadas por cristais.

51 – Nuvens baixas e uniformes, geralmente acinzentadas, que produzem, por vezes, chuviscos, são classificadas como: a) stratus, b) cumulus, c) altostratus, d) nimbustratus.

52 – Nuvens CB e CU são nuvens baixas com desenvolvimento: a) vertical, b) advectivo, c) horizontal, d) adiabático.

53 – As nuvens cirriformes têm aparência: a) fibrosa, b) de blocos, c) de torres, d) convectiva.

54 – A formação do fenômeno meteorológico HALO é comum em nuvens: a) NS, b) CS, c) SC, d) AS.

55 – Em ar instável as nuvens encontradas são do tipo: a) CI, b) ST, c) NS, d) CU.

56 – A precipitação na forma de pancadas é típicas de nuvens: a) cirrus, b) stratus, c) cumulus, d) nimbustratus.

57 – As nuvens mais baixas são encontradas com bases de altura que variam entre 30 e: a) 100 metros, b) 600 metros, c) 2000 metros, d) 4000 metros.

58 – As nuvens que apresentam uma forma aproximada de lente biconvexa, localizadas a sotavento das montanhas, em dias de ventos fortes, são do tipo: a) stratus, b) mamatus, c) lenticulares, d) cirrostratus. Sua resposta: a. Alternativa correta: c

59 – As nuvens altas, nas latitudes tropicais, são:
a) sólidas, cirriformes com bases acima de 8000 metros, b) mistas, estratiformes com bases acima de 8000 metros, c) cirriformes, liquidas com bases acima de 4000 metros, d) sólidas, estratiformes, com bases acima de 2000 metros.

60 – As nuvens cumuliformes formam-se em ar: a) neutro, b) estável, c) instável, d) condicional.

61 – Nuvens isoladas, densas, com pronunciado desenvolvimento vertical, possuindo bases niveladas, podendo produzir pancadas de chuva, são denominadas: a) stratus, b) cumulus, c) altostratus, d) cirrocumulus;.

62 – As nuvens lenticulares denunciam a presença de turbulência: a) Térmica, b) Dinâmica,  c) Mecânica, d) Orográfica.

63 – Os cumulunimbus ocorrerão, SOMENTE, se a atmosfera estiver: a) estável, b) instável, c) isotérmica, d) condicional.

64 – A brisa marítima é de natureza: a) gradiente, b) geostrófica, c) barostrófica, d) ciclostrófica.

65 – As brisas marítimas e terrestres são consideradas ventos: a) de vale, b) gradientes, c) geostrósficos, d) barostróficos.

66 – A identificação da névoa úmida é feita quando a : a) umidade relativa é inferior a 80%, b) umidade relativa é superior a 80%, c) visibilidade horizontal é igual a zero metros, d) visibilidade horizontal é inferior a 1000 metros.

67 – O ar se movimenta horizontalmente e se resfria formando nevoeiro de: a) brisa, b) vapor, c) radiação, d) advecção.

68 – À noite, no inverno, quando o céu apresentar-se sem nebulosidade e com vento calmo, haverá maior probabilidade de, pela manhã seguinte, ocorrer: a) chuva, b) frente, c) trovoada, d) nevoeiro.

69 – Céu claro e radiação terrestre no interior continental facilita, no inverno, a formação de nevoeiros:
a) de brisa, b) frontais, c) de advecção, d) de radiação.

70 – Entre os hidrometeoros precipitantes, aquele que mais reduz a visibilidade é denominado:
a) chuva, b) granizo, c) pancada, d) chuvisco.

71 – Entre os fenômenos que mais reduzem a visibilidade em um aeródromo encontra-se o/a:
a) chuva, b) chuvisco, c) névoa seca, d) névoa úmida.

72 – São hidrometeoros precipitantes: a) geada, neve e granizo, b) chuva,chuvisco e neve, c) orvalho, chuva e fumaça, d) geada, orvalho e chuvisco.

73 – Será considerado nevoeiro, quando a visibilidade horizontal estiver: a) igual a 3000 metro, b) inferior a 1000 metro, c) superior a 3000 metros,d) entre 1000 e 3000 metros.

74 – Os nevoeiros orográficos ocorrem devido ao levantamento do ar pela presença de: a) rios, b) vales, c) relevos, d) planaltos.

75 – Ar quente e úmido deslocando-se sobre as superfícies líquidas e frias, provoca formação de nevoeiro: a) frontal, b) de brisa, c) de vapor, d) marítimo.

76 – A turbulência orográfica é um movimento vertical do ar em regiões: a) planas, b) térmicas, c) dinâmicas, d) montanhosas.

77 – Ondas estacionárias são observadas : a) sobre montanhas, b) a sotavento das montanhas, c) a barlaventos das montanhas, d) nas encostas das montanhas.

78 – Partículas sólidas, em suspensão no ar, tais como poeiras, sais, etc… e que reduzem a visibilidade, constituem-se em: a) fonometeoros, b) litometeoros, c) fotometeors, d) hidrometeoros.

79 – Chuvas associadas a turbulência, são fenômenos ocasionados, geralmente, pela presença de: a) cristais, b) trovoadas, c) anticiclones, d) corrente de jato.

80 – Com instabilidade ocorrem correntes e o ar é agitado na: a) vertical, b) superfície, c) horizontal, d) condicional.

81 – A fase da trovoada, na qual há um certo equilíbrio entre as quantidades de corantes ascendentes e descendentes, denomina-se: a) cumulus, b) formação, c) maturidade, d) dissipação.

82 – Uma aeronave em vôo, havendo trovoada, deve evitá-la e voar para sua segurança, a mais ou menos …. da trovoada.
a) 2 milhas, b) 20 milhas, c) 10 milhas, d) 20 metros.

83 – Expansões laterais exageradas caracterizam: a) trovoadas em dissipação, b) trovoadas em fase madura, c) trovoadas em fase cumulus, d) cumulus no seu máximo desenvolvimento.

84 – As turbulências térmicas são observadas: a) até o nível da base dos cumulus, b) até o nível do topo dos cumulus, c) SOMENTE dentro de nuvens cumulus, d) Até nível muito acima do tipo de cumulus.

85 – A observação visual de uma cortina esverdeada desenvolvendo-se na vertical dentro ou fora de uma trovoada significa: a) forte turbulência, b) pancada forte de chuva, c) queda de granizo ou saraiva, d) correntes descentes muito fortes.

86 – A turbulência por cortante de vento a baixa altura (wind shear) é provocada pela variação da ….. do vento.
a) densidade, b) velocidade média, c) esteira de turbulência, d) direção e/ou intensidade.

87 – Turbulência de céu claro (CAT) define uma região em altitude, que indica existência de uma: a) frontal, b) cortante, c) estabilidade, d) corrente de jato

88 – O relâmpago horizontal predomina no/na: a) traseira do CB, b) dianteira do CB, c) lado direito do CB, d) lado esquerdo do CB.

89- Uma trovoada alcança o desenvolvimento máximo quando se encontra na fase: a) inicial, b) cumulus, c) de maturidade, d) de dissipação.

90 – A turbulência provocada por auto convecção da atmosfera é denominada: a) térmica, b) de solo, c) dinâmica, d) orográfica.

000) – São consideradas como nuvens baixas: *a) ST e SC, b) AC e A5, c) CI e CG, d) N5 e A5.

91 – Chuvas intensas associadas às turbulências são fenômenos, geralmente, associados aos/as: a) trovoadas, b) anticiclone, c) frentes quente, d) correntes de jato.

92 – Divide-se a evolução das trovoadas em: a) 2 estágios, b) 3 estágios, c) 4 estágios, d) 5 estágios.

93 – O equilíbrio entre correntes ascendentes e descendentes evidencia uma trovoada na fase de: a) expansão, b) formação, c) dissipação, d) maturação.

94 – Quando voando em áreas de trovoadas, o piloto deverá manter-se afastado delas por medida de segurança a uma distância NÃO inferior a : a) 05NM, b) 10NM, c) 15NM, d) 20NM.

95 – Quando voando em áreas de trovoadas, o piloto deverá manter-se afastado delas por medida de segurança a uma distância NÃO inferior a : a) 05NM, b) 10NM, c) 15NM, d) 20NM.

96 – A causa principal da presença de ventos está na variação da: a) pressão, b) altitude, c) latitude, d) umidade.

97 – Ventos Alísios tem sua predominância no hemisfério sul, fluindo do: a) sudeste, b) nordeste, c) sudoeste, d) noroeste.

98 – Quando uma aeronave se desloca, o movimento causa duas trajetórias, uma real e outra aparente em relação a superfície, causando desvio de rota, este desvio é conhecido como: a) rotação, b) circulação, c) translação, d) força de coriólis.

99 – Sempre que se voa no hemisfério norte, de uma região de alta pressão para uma de baixa pressão, verifica-se vento: a) de proa, b) de cauda, c) pela direita, d) pela esquerda.

100 – Ao voar no hemisfério sul no FL 100 uma aeronave cruzará sucessivamente altitudes de 3180m, 3240m, 3300m. Nesta situação observará vento de: a) proa, b) cauda, c) direita, d) esquerda.

101 – Circulação anti-horária convergente caracteriza: a) ciclone no hemisfério sul, b) ciclone no hemisfério norte, c) anticiclone no hemisfério sul, d) anticiclone no hemisfério norte.

102 – O cavado térmico, que separa a circulação entre os dois hemisfério, é denominado: a) CIO, b) FIT, c) DOLDRUNS, d) Frente polar.

103 – Todos os ventos que ocorrem abaixo de alturas são denominados: a) gradientes, b) geostróficos, c) barostróficos, d) ciclostróficos.

104 – Nas latitudes compreendidas entre 20o N e 20o S há predominância de ventos: a) de vale, b) alísios, c) estáveis, d) instáveis.

105 – Os ventos que resultam do efeito direto do gradiente de pressão, denominam-se: a) gradientes, b) geostróficos, c) barostróficos, d) ciclostróficos.

106 – Ventos barostróficos circulam a até……. metros da superfície: a) 100, b) 600, c) 1000, d) 6000.

107 – Ventos pré-frontais de frente fria, no Brasil, fluem de : a) SE, b) NE, c) SW, d) NW.

108 – A superfície da Terra influencia o movimento do ar na atmosfera até 100m, considerada camada limite e até 600 m a camada de transição. Acima desta última camada, encontra-se o nível de gradiente com ventos:
a) geostróficos,
b) ascendentes,
c) de superfície,
d) barostróficos.

109 – Ventos descendentes a sotavento, com aquecimento adiabático é conhecido como efeito de:
a) fohen, b) pascoal, c) coriólis, d) buys ballot.

110 – Uma massa de ar sobre a cidade de Manaus é uma massa de ar …….. equatorial: a) úmida, b) marítima, c) tropical, d) continental.

111 – Uma massa de ar úmida, ao se deslocar sobre uma superfície mais aquecida, poderá ocasionar:
a) nevoeiros, b) trovoadas, c) nuvens estratificadas, d) restrição de visibilidade.

112 – O deslocamento normal das massas de ar polar na América do Sul é de : a) SW para NE, b) NE para SW, c) NW para SE, d) SE para NW.

113 – Se a massa de ar apresenta boa visibilidade, céu claro e baixo temperatura, sua classificação será:
a) CTW, b) CPK, c) MTW, d) MEW.

114 – O clima predominante em Salvador, capital da Bahia, se deve a massa de ar: a) mT, b) cT, c) mP, d) cP.

115 – No Brasil as frentes frias têm um deslocamento médio de: a) NW para SE, b) SW para NE, c) SE para NW, d) NE para SW.

116 – O primeiro indício da aproximação de uma frente fria é: a) o surgimento de nuvens do tipo cirrus, b) a queda da temperatura, c) a ocorrência de trovoadas, d) a mudança dos ventos para sudoeste.

117 – As frentes são fenômenos encontrados nas análises sinóticas, posicionadas nos/nas: a) col, b) cristas,
c) cavados, d) centro de baixa.

118 – A aproximação de uma frente fria é conhecida pelo/pela: a) queda de temperatura e queda de pressão,
b) aumento da temperatura e queda da pressão, c) queda da temperatura e aumento da pressão, d) aumento da temperatura e aumento da pressão.

119 – Numa frente quente a seqüência de nuvens pré-frontais é a seguinte: a) NS, SC, AS, AC, CI, b) CI, CS, AS, NS, ST,
c) CB, CI, CS, AS,AC, d) AS, AC, CS, CI, NS.

120 – As frentes ocorrem sempre entre dois sistemas de: a) altas pressões, b) baixas pressões, c) pressões crescentes, d) pressões constantes.

121 – A massa de ar que avança na direção de uma superfície com massa de ar quente, é considerada como uma frente:
a) fria, b) oclusa, c) quente, d) estacionária.

122- Monção de verão ocorre: a) do mar para terra, b) da terra para o mar, c) sobre as altitudes elevadas, d) devido a existência de águas do mar, frias.

123 – O deslocamento de uma massa de ar provoca turbulência: a) frontal, b) cortante, c) instável, d) de corrente de jato.

124 – O início do deslocamento de uma massa de ar, fria ou quente, é conhecido como: a) estacionária, b) frontogênese, c) frente frontal, d) frente em altitude.

125 – ISA + 10 para o nível de 9000 pés corresponde a: a) 7o C, b) 13o C, c) –3o C, d) –10o C.

126 -A temperatura ISA+10noFL230 é de: a) –41o C, b) –31o C, c) –21o C, d) –11o C.

127 – ISA + 1 para o nível de 8000 pés, é: a) 01o C., b) 00o C, c) –01o C, d) –02o C.

128 – A temperatura verdadeira no FL80, onde ela é igual a ISA +18, é: a) 4o C, b) 17o C, c) 19o C, d) –17o C.

129 – Chuvas intensas associadas às turbulências são fenômenos, geralmente, associados aos/as: a) trovoadas, b) anticiclone, c) frentes quente, d) correntes de jato.

130 – Gelo do tipo escarcha forma-se nas aeronaves sempre que estas voarem em condições: a) estáveis, b) instáveis, c) condicionais, d) turbulentas.

131 – O gelo tipo escarcha, amorfo, é encontrado principalmente em nuvens: a) CI, b) AS, c) CB, d) CV.

132 – Chuva sob nuvem, em temperaturas menores que 0o C, acarreta numa aeronave, formação de: a) geada, b) gelo forte, c) gelo tipo escarcha, d) gelo leve tipo claro.

133 – O gelo claro ( vidrado) predomina com temperatura: a) abaixo de 0o C em CB, b) acima de 0o C em NS, c) abaixo de 0o C em NS, d) acima de 0o C em CB.

134 – O granizo é identificado em uma trovoada visualmente pela coloração: a) azul, b) verde, c) preta, d) branca.

135 – O gelo que adere, de difícil remoção e perigoso, é conhecido como gelo: a) misto, b) claro, c) amorfo, d) de geada.

136 – METAR SBME011500Z 03010KT CAVOK 30/22 Q1016=. O termo CAVOK indica que há: a) formação de CB com turbulência, b) visibilidade vertical menor que 1500M, c) visibilidade horizontal menor que 10km, d) visibilidade horizontal, tempo presente e nebulosidade não restringindo a operação do aeródromo.

137 – O grupo R12/M0050, codificado no METAR, significa RVR na (s) pista (s): a) 12, igual a 50 metros, b) 12, menor que 50 metros, c) 05, igual a 1200 metros, d) 05, menor que 1200 metros.

138 – As cartas de tempo significativo SIGWX confeccionadas as VTI200Z: a) permitem seu uso apenas as1200UTC, b) permitem seu uso das 0900 as 1500UTC, c) significam ser validas por 12 horas, d) significam que as cartas foram confeccionadas com 12 horas de antecedência.

139 – Em um TAF, o grupo 611003 significa formação de gelo entre altitudes de: a) 11000 e 13000 pés, b) 10000 e 13000 pés, c) 11000 e 10300 pés, d) 10000 e 10300 pés.

140 – Numa carta SIG WX PROG onde é prognosticada formação de CAT FL 380/300, pode-se concluir que será encontrada turbulência de céu claro entre: a) 300 e 380 pés, b) 380 e 300 pés, c) 3000 e 3800 pés, d) 30000 e 38000 pés.

141 – No METAR SBGR20 1000Z 12003kt 0600 R09/0800 R27/1150 FG VV002 18/18 Q1025, a visibilidade no aeródromo é de : a) 600m, b) 800m, c) 1150m, d) 2000m.

142 – Uma mensagem para previsão de um determinado aeródromo visando o planejamento de um vôo é uma mensagem: a) TAF, b) TEMP, c) SPECI, d) METAR.

Como agendar a prova para piloto: Banca do ANAC

[rating itemreviewed=”Post” rating=”5″ reviewer=”30/03/2017″ dtreviewed=”” best=”5″ worst=”5″][/rating]

Uma vez obtido o CMS, você já está habilitado para se apresentar na prova do ANAC para piloto. Os passos são:

  1. Obtenha seu código ANAC a través do SINTAC (Sistema Integrado de Informações da Aviação Civil)
  2. Pagamento do GRU Simples (TFAC), o qual pode descarregar neste link direito do site da ANAC:
    • Na opção “Escolha a área de interesse” selecione “TABELA DE SERVIÇOS” e aperte no botão “PESQUISAR”
    • Aparecerá uma lista de serviços onde você terá que procurar entre mais de 350 items a opção correspondente entre os números 4118, 4119, 4120, 4121, 4122, as quais normalmente se encontram na pagina 8:
      • Código 4118: PP (CCT de Piloto Privado de Aviões), PPH (Piloto Privado de Helicópteros), CPD, CPR, CPL, CMS
      • Código 4119: PC/IFR, PCH, IFR, MCV, PLA, PLAH, INVA, INVH
      • Código 4120. Revalidação do comprovante de conhecimento teórico
      • Código 4121. PPL
      • Código 4122. Inscrição para exame de 2ª época
    • Uma vez feito click na opção desejada aparecerá a tela “Apresentar GRU Simples” onde primeiramente deverá modificar é o número de documentos que por defeito indica “1”. No caso seja a primeira vez que vai se apresentar a prova, terá que escrever o número “5” pois são 5 partes que tem a prova, e seguidamente, apertar na pequena calculadora a direita para que o valor seja atualizado. A dia de hoje o valor dá um total de 432,10 R$. Finalmente, insira seu CPF e nome e faça click em “CONFIRMAR”.
    • Automaticamente aparecerá o boleto a ser pago em qualquer oficina do Banco do Brasil.
  3. Agendar a prova: Uma vez efetuado o pagamento, recomenda-se esperar uns 3 dias para entrar em contato com a ANAC neste link direito para o agendamento. A inscrição pode ser feita presencial, por email ou por procuração. Embora seja recomendado a presencial, a mais confortável é via email, e até é a única possível em alguns locais como é no caso de Fortaleza. Neste caso, deverá seguir os seguintes passos:
    • Imprimir, preencher, datar e assinar o Formulário de Solicitação de Exame onde você tem a opção de escolher data principal e 3 alternativas no caso estejam indisponíveis.
    • Digitalizar em PDF (preferentemente a color) o formulário junto com o Documento de Identidade, CPF e foto 3×4.
    • Enviar por email para a Unidade Regional da ANAC correspondente (link).
    • Normalmente receberá em resposta um comprovante do inscrição para ser apresentado no dia da prova.